Catolicismo Romano
Provincia di Roma
Associação Madre Cabrini
Provincia di Biella
Chiesa Cattolica Italiana
Santuario D’ Oropa – Biella – Italia
SUCESSÃO APOSTÓLICA - QUARTA PARTE - PELA CATEQUISTA MÔNICA ROMANO PDF Imprimir E-mail
 
256º Pio IX, Foi Papa num total de 31 anos, sete meses e 17 dias, entre 16 de Junho de 1846 e a data do seu falecimento. É o pontificado mais longo da história depois de São Pedro . condenou dezesseis proposições que contrariavam a visão católica na época. Esta encíclica foi acompanhada pelo famoso Syllabus Errorum, que condenava as ideologias do panteísmo, naturalismo, racionalismo, indiferentismo, socialismo, comunismo, franco-maçonaria e vários outras formas de liberalismo religioso tidos por incompatíveis com a religião católica. Antes, em 8 de Janeiro de 1857, já havia feito a condenação dos escritos filosófico-teológicos de Günther e em muitas ocasiões insistiu em que se deveria seguir a filosofia e a teologia de São Tomás de Aquino. proclamou ou o dogma da Imaculada Conceição da Virgem Maria como sendo um dogma de fé da Igreja através da Encíclica Ineffabilis Dei. Promoveu a devoção ao Sagrado Coração em 23 de Setembro de 1856 estendeu esta festividade a todo o mundo católico, em 16 de Junho de 1875 consagrou o mundo ao Sagrado Coração de Jesus, convocou o Concílio Vaticano I. Na quarta sessão solene do concílio, em 18 de Julho de 1870, a infalibilidade papal foi declarada um dogma, aboliu leis que forçavam os judeus a viver em áreas específicas, os impediam de praticar certas profissões, e os obrigavam a ouvir sermões quatro vezes por ano em tentativas de conversão. O Judaísmo e o Catolicismo eram as únicas religiões permitidas por lei, Pio IX escreveu algumas encíclicas a condenar determinadas teorias recém-surgidas como o comunismo e as ações anti-cristãs. Em 8 de Dezembro de 1864, Pio IX escreve a encíclica Quanta Cura cujo Syllabus lista 80 dos "principais erros do nosso tempo". O 80º "erro" era que "o Pontífice Romano tem de se reconciliar e acordar com o progresso, liberalismo, e civilização moderna". Esta encíclica criticava abertamente aquilo que na altura era conhecido como a heresia do americanismo: a liberdade de religião, liberdade de pensamento, separação da Igreja do Estado.

257º Leão XIII, Foi o primeiro Papa a surgir num filme. É frequente referir-se ao Papa Leão XIII pelas suas doutrinas sociais e econômicas, nas quais ele argumentava a falha do capitalismo e do comunismo. Ficou famoso como o "Papa das Encíclicas  Sociais". Concedeu a  Princesa Isabel uma Rosa d' Ouro, simbolo de generosidade ao publicar a Lei Áurea. Dentre muitas outras publicou a encíclica Arcanum Divinae Sapientae sobre os valores da família, onde faz a abordagem dos problemas relacionados com o matrimônio. Neste documento faz a defesa da indissolubilidade do casamento e críticas ao divórcio. Leão XIII condenou também a Maçonaria e pela Carta Apostólica de 1899 Testem Benevolentiae condenou a heresia chamada americanismo.

258º Pio X, Ficou conhecido como o "Papa da Eucaristia" e foi o primeiro Papa a ser canonizado desde Pio V (1566–72), enfrentava um laicismo muito forte e diversas tendências do modernismo, encarado por ele como a síntese de todas as heresias nos campos dos estudos bíblicos e teologia. introduziu grandes reformas na liturgia e codificou a Doutrina da Igreja Católica, sempre num sentido tradicional e facilitou a participação popular na Eucaristia. Foi um Papa pastoral, encorajando estilos de vida que refletissem os valores cristãos. Permitiu a prática da comunhão eucarística frequente e fomentou o acesso das crianças à Eucaristia quando da chegada à chamada idade da razão. Promoveu ainda o estudo do Canto Gregoriano e do catecismo (ele próprio foi autor de um catecismo, designado por Catecismo de São Pio X). Criou a Pontifícia Comissão Bíblica e colocou as bases do Código de Direito Canônico, promulgado em 1917 após a sua morte. Publicou 16 encíclicas. é considerado por alguns, como o maior dos Papas do século XX, disputando tal título com o Papa João Paulo II.

259º Bento XV, Promulgou o Codex Iuris Canonici (Código do Direito Canônico) em 1917. Em 05 de Maio de 1920, canonizou Joana d'Arc.

260º Pio XI Publicou a encíclica Quas Primas que estabelece a festa de Cristo Rei. Em 1929, a Santa Sé assinou o Tratado de Latrão com o governo italiano de Mussolini. De acordo com o tratado, o Estado do Vaticano tem soberania plena sendo um enclave na cidade de Roma; em troca o Vaticano renuncia aos seus antigos territórios (Estados Papais). Resolvendo assim, a chamada "Questão Romana" que já havia sido, antes, objeto da encíclica Ubi arcano, na qual o papa dizia que "a Itália não tem e não terá o que temer da Santa Sé." A sua morte continua envolta em mistério, uma vez que Pio XI morreu pouco depois de ter criticado abertamente o regime fascista de Mussolini.

261º Pio XII, Foi o primeiro Papa Romano desde 1724. Foi o único Papa do século XX a exercer o Magistério Extraordinário da Infalibilidade Papal – invocado por Pio IX – quando definiu o dogma da Assunção de Maria em 1950 na sua encíclica Munificentissimus Dei. A sua ação durante a Segunda Guerra Mundial tem sido alvo de debate e polêmica. Ao todo criou 57 cardeais em dois consistórios, foi o fundador do jornal oficial do Vaticano,L'Observatore Romano, Foi escolhido pelo papa Leão XIII para apresentar as condolências em nome do Vaticano a Eduardo VII do Reino Unido pela morte da Rainha Vitória. Pode-se dizer que Pio XII foi um dos principais protagonistas daqueles dias tão carregados de tragédia, porque procurou, com todas as suas forças, evitar a guerra. Tendo adquirido uma grande experiência diplomática, tem ciência de que o espera um dos mais agitados períodos da história. Recorre com frequência ao meio radiofônico para promover as suas mensagens, o mais moderno de comunicação de massa na época, são perto de duzentas mensagens radiodifundidas e dirigidas ao mundo em várias línguas, além de seus escritos. Quando, em 10 de Setembro de 1943 os nazistas invadiram Roma, o Papa abriu a Santa Sé aos refugiados, estimando-se que tenha concedido a cidadania do Vaticano a entre 800.000 e 1.500.000 de pessoas, e nos meses em que Roma se encontrava sob ocupação alemã, Pio XII instruiu o clero italiano sobre como salvar vidas usando de todos os meios possíveis. Cento e cinquenta e cinco conventos e mosteiros em Roma deram asilo a aproximadamente cinco mil judeus. Pelo menos três mil encontraram refúgio na residência de verão do pontífice, em Castel Gandolfo. Sessenta judeus viveram por nove meses dentro da Universidade Gregoriana e muitos foram escondidos no subsolo do Pontifício Instituto Bíblico. Seguindo as instruções de Pio XII, muitos padres, monges, freiras, cardeais e bispos italianos empenharam-se para salvar milhares de vidas judias. O Cardeal Boetto, de Gênova, salvou pelo menos oitocentas vidas. O bispo de Assis escondeu trezentos judeus por mais de dois anos. O bispo de Campagna e dois de seus parentes salvaram outros 961 em Fiume. Hiter ameaçou raptar Pio XII. Em 23 de Dezembro de 1940 na revista "Time" Albert Einstein afirmava: "Somente a Igreja ousou opor-se à campanha de Hitler de suprimir a verdade.Nunca tive um interesse especial pela Igreja antes, mas agora sinto um grande afeto e admiração porque somente a Igreja teve a coragem e a força constante de estar d a parte da verdade intelectual e da liberdade moral". 

262º João XXIII, Era mundialmente conhecido por "Papa Bom" ou "Papa da bondade". Considerado um Papa de transição, depois do longo pontificado de Pio XII, ele convocou, para surpresa de muitos, o Concílio Vaticano II, que visava a renovação da Igreja e a formulação de uma nova forma de explicar pastoralmente os dogmas ao mundo moderno. Ele também "retirou da liturgia de sexta-feira Santa as duras expressões referentes" aos judeus. ), proibiu os católicos de votarem em partidos ou em candidatos apoiantes do Comunismo, Em 1962, durante a Crise dos Mísseis em Cuba, o Papa pediu a todos os governantes do mundo para se esforçarem a salvaguardar a paz, que é querida pela humanidade. Algumas pessoas acreditam que esta mensagem, difundida pela Rádio Vaticano, teve alguma importância na diminuição de tensões entre a União Soviética e os Estados Unidos da América (EUA) e na consequente decisão de Khrushchev de iniciar o diálogo com os EUA. Apesar de ter um pontificado curto (que durou menos de cinco anos), ele é considerado um dos mais populares e amados Papas, não só dentro da Igreja Católica, mas também por entre os não-católicos. visitou as crianças gravemente doentes internadas no Hospital Bambin Gesù e no Hospital Santo Spirito, onde confortou amavelmente as crianças e conversou com algumas delas. No dia seguinte (26 de Dezembro), ele foi visitar os encarcerados da prisão Regina Coeli. Lá, conseguiu criar um ambiente familiar, comovente e fraternal, ao afirmar que "sou Giuseppe, vosso irmão" e que "aqui [na prisão] estamos na Casa do Pai".

Ele disse também aos prisioneiros que "pus meus olhos nos vossos olhos, coloquei meu coração junto ao vosso coração". Com as suas poucas palavras e os seus simples gestos, ele conseguiu transmitir a "misericórdia de Deus para com eles". Este seu discurso foi tão poderoso que um encarcerado, condenado por homicídio, perguntou, entre lágrimas, que "o que o senhor [o Papa] disse antes, vale também para mim?". João XXIII, comovido, deu-lhe surpreendentemente um grande e amoroso abraço como resposta. João XXIII inaugurou em 1962 um concílio ecumênico - o Concílio Vaticano II. A partir deste Concílio, que só terminou em 1965, a Igreja Católica, através da sua renovação, abriu-se mais ao mundo moderno. Por isso, houve mudanças significativas no Catolicismo: uma grande reforma litúrgica (revisão e simplificação da Missa de Rito Romano); O Concílio, todavia, não firmou dogmas, e sim serviu de orientação pastoral à Igreja Católica, sendo seus efeitos vistos de forma controversa pelos praticantes do catolicismo, João XXIII faleceu de câncer no estômago, após longa luta contra tal enfermidade, no dia 03 de Junho de 1963, não chegando por isso a encerrar o Concílio Vaticano II.

263º Paulo VI, Chefiou a Igreja Católica durante a maior parte do Concílio Vaticano II e foi decisivo na colocação em prática das suas decisões. promulgou a Encíclica Humanae Vitae, sobre a regulação da natalidade, documento que veio a se constituir num marco decisivo da Doutrina Social da Igreja nas questões sobre aborto, esterelização e regulação da natalidade por métodos artificiais e cuja doutrina, ali explicitada, serviu de base para vários documentos pontifícios posteriores ao tratarem do tema da família, da ética conjugal e da bioética. Paulo VI foi o primeiro Papa a visitar os cinco continentes, e, até ao Papa João Paulo II o mais viajado, pelo que foi chamado o Papa Peregrino. Em 1970 sobreviveu a uma tentativa de assassinato nas Filipinas.

264º João Paulo I, Tornou-se rapidamente conhecido entre a cúria pelo apelido, por sua afabilidade, de "o Papa Sorriso".Foi o primeiro Papa desde Clemente V a recusar uma coroação formal, cerimônia não oficialmente abolida, ficando a cargo do eleito escolher como quer iniciar seu pontificado, Não aceitava ser carregado em uma liteira como os outros papas, por uma questão de humildade. Também foi pioneiro ao adotar um nome papal duplo. Pretendia trazer reformas anti-conservadoras para o seio da Igreja Católica. Foi o primeiro papa a nascer no século XX. Seu nome papal duplo foi uma homenagem a seu antecessor Paulo VI, e ao antecessor deste, João XXIII. Existe a suspeita de que tenha sido envenenado a noite, por algumas pessoas envolvidas com fraudes e a Loja Maçônica P2, a maçonaria é  condenada pela Igreja, João Paulo I, estaria a par de todas as acusações e iria excomungar os envolvidos, o fato é que o envenenamento por digitalida pode passar despercebido e ser facilmente confundido com uma ataque  cardíaco, jamais saberemos o que aconteceu com o Papa Sorriso.

No quinto e último tópico, veremos o pontificado dos três últimos eleitos ao trono de São Pedro.
 
Mônica Romano é catequista em Belo Horizonte, Minas Gerais e colaboradora do Portal Catolicismo Romano 
 
< Anterior   Próximo >
Copyright © 2010 Catolicismo Romano | Powered by UNOPress