CREDO IN LATIN
Provincia di Biella
Associação Madre Cabrini
Santuario D’ Oropa – Biella – Italia
Catolicismo Romano
Chiesa Cattolica Italiana
Provincia di Roma
Enquete
O que você sabe sobre catolicismo romano?
 
Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks
Papa Francisco faz autocrítica e corrige três erros, de acordo com o vaticanista Sandro Magister PDF Imprimir E-mail

Papa FranciscoTira do site a entrevista que deu a Scalfari. Retifica suas opiniões sobre o Concílio Vaticano II. Distancia-se das correntes progressistas que o aplaudiram até este momento. Mas os meios de comunicação calam sobre estas mudanças.


A reportagem é de Sandro Magister e publicada no sítio Chiesa.it, 22-11-2013. A tradução é de André Langer.

No espaço de alguns dias, o Papa corrigiu ou fez corrigir, alguns elementos significativos da sua imagem pública. Três, pelo menos.

O primeiro diz respeito à conversa que teve com Eugenio Scalfari, posta por escrito por este campeão do pensamento ateu no jornal La Repubblica, em 1º de outubro.

A transcrição da conversa havia produzido, de fato, um descontentamento generalizado, causado por algumas afirmações colocadas na boca de Francisco que pareciam mais em sintonia com o pensamento laico dominante do que com a doutrina católica. Como, por exemplo, a seguinte: “Cada um de nós tem uma visão do Bem e também do Mal. Devemos incitar a proceder para aquilo que cada um pensa que seja o Bem.”.

Entretanto, nesse momento, a entrevista havia sido aprovada pelo padre Federico Lombardi como “fiel ao pensamento” do Papa e “fidedigna em seu sentido geral”.

Mas não acabou por aí. Poucas horas depois da sua publicação no La Repubblica, a entrevista foi reproduzida na íntegra tanto no L’Osservatore Romano como no sítio oficial da Santa Sé, assim como acontece com os outros discursos e documentos do Papa.

Nasceu assim a ideia de que Jorge Mario Bergoglio havia escolhido a propósito a modalidade expressiva daentrevista, tanto nesta ocasião como em outras posteriores, como a nova forma do seu magistério capaz de chegar de maneira mais eficaz ao grande pública.

Mas, ao longo das semanas seguintes, o Papa se deu conta do risco que esta modalidade entranhava: que o magistério da Igreja seja rebaixado ao nível de simples opinião oferecida ao livre confronto.

De fato, daí derivou a decisão, no dia 15 de novembro, de retirar do sítio da Santa Sé o texto da entrevista com Scalfari.

“Ao tirá-lo – explicou o padre Lombardi –, precisou-se a natureza desse texto. Havia algum equívoco e debate sobre seu valor”.

No dia 21 de novembro, entrevistado na sede romana da imprensa internacional, Scalfari revelou, no entanto, outros detalhes deste assunto. Disse que o Papa, ao término da conversa, teria consentido em publicá-la. E diante da proposta de Scalfari de lhe mandar o texto antes de ser publicado, teria respondido: “Me parece perda de tempo, confio em você”.

Efetivamente, o fundador do La Repubblica enviou o texto ao Papa, acompanhado de uma carta na qual, entre outras coisas, dizia:

“Tenha em conta que não referi algumas coisas que você me contou. E que algumas coisas que o faço dizer, não as disse. Mas eu as acrescentei para que o leitor saiba quem é você”.

Dois dias depois – e de acordo com o que Scalfari refere – o segundo secretário do Papa, Alfred Xuereb deu, por telefone, o ok para a publicação, que saiu no dia seguinte.

Scalfari comentou: “Eu estou disposto a acreditar que o Papa não compartilha algumas coisas escritas por mim e atribuídas a ele, mas também creio que ele considera que, expressadas por um não crente, são importantes para ele e para a ação que desenvolve”.

* * *

Mas também a equilibrada e estudadíssima entrevista do Papa Francisco à revista La Civiltà Cattolica – publicada no dia 19 de setembro simultaneamente por 16 revistas da Companhia da Jesus, em 11 idiomas – entrou nos últimos dias na oficina das coisas que é preciso corrigir.

Sobre um ponto chave: a interpretação do Concílio Vaticano II.

Compreendeu-se isto ao tomar conhecimento de uma passagem da carta autógrafa escrita  por Francisco ao arcebispo Agostino Marchetto por ocasião da apresentação de um livro escrito em sua honra, no dia 12 de novembro, no solene marco do Capitólio, carta que o Papa quis que fosse lida em público.

A passagem é a seguinte: “Você manifestou este amor [à Igreja] de muitas maneiras, inclusive corrigindo este erro ou esta imprecisão da minha parte – e por isso lhe agradeço de coração –, mas sobretudo se apresentou com toda a sua pureza nos estudos realizados sobre o Concílio Vaticano II. Uma vez lhe disse, querido mons. Marchetto, e desejo repeti-lo hoje, que o considero o melhor hermeneuta do Concílio Vaticano II”.

Já a definição de Marchetto como “o melhor hermeneuta” do Concílio é espetacular.

De fato, Marchetto é, desde sempre, o crítico mais implacável da “Escola de Bolonha” – fundada por Giuseppe Dossetti e Giuseppe Alberigo, e hoje dirigida pelo professor Alberto Meloni –, que tem o monopólio mundial da interpretação do Vaticano II em chave progressista.

A hermenêutica do Concílio defendida por Marchetto é a mesma defendida por Bento XVI: não “ruptura” e “novo início”, mas “reforma na continuidade do único sujeito Igreja”. E esta é a hermenêutica que o Papa Francisco quis demonstrar que compartilha ao manifestar uma apreciação tão elevada de Marchetto.

Mas quando se relê a sucinta passagem que Francisco dedica ao Vaticano II na entrevista à La Civiltà Cattolica, a impressão que se tem é diferente. “Sim, há linhas de continuidade e de descontinuidade”, admite o Papa. “Mas – acrescenta – uma coisa está clara”: o Vaticano II foi “um serviço ao povo” que consiste em “uma releitura do Evangelho à luz da cultura contemporânea”.

Em três ocasiões, nas poucas linhas da entrevista dedicadas ao Concílio, Bergoglio define dessa maneira sua essência, que ele aplica também à reforma da liturgia.

Tal julgamento sobre o grandioso acontecimento que foi o Concílio pareceu tão sumário a muitas pessoas, a ponto de o próprio Antonio Spadaro, diretor da revista La Civiltà Cattolica e autor da entrevista, confessar seu assombro ao transcrever as palavras de Francisco.

Entretanto, este julgamento foi ganhando amplos consensos. Por exemplo, o presidente da República italiana Giorgio Napolitano, ao receber o Papa em sua visita ao Palácio Quirinal, no dia 14 de novembro, citando as palavras exatas deste, agradeceu-lhe exatamente por fazer “vibrar o espírito do Concílio Vaticano II como ‘releitura do Evangelho à luz da cultura contemporânea’”.

E estas mesmas palavras foram aplaudidas – e este é outro exemplo – pelo número um dos liturgistas italianos,Andrea Grillo, professor no Pontifício Ateneu Santo Anselmo, segundo o qual Francisco teria, finalmente, inaugurado a verdadeira e definitiva “hermenêutica” do Concílio, após ter “situado imediatamente em um segundo plano essa diatribe sobre a ‘continuidade’ e a ‘descontinuidade’ que havia prejudicado durante muito tempo – e muitas vezes paralisando tudo – qualquer hermenêutica eficaz do Vaticano II”.

Efetivamente, não é um mistério que “serviço ao povo” e releitura do Evangelho “atualizada para hoje” sejam conceitos apreciados pelas interpretações progressistas do Concílio e, em particular, pela “Escola de Bolonha”, que várias vezes se declarou entusiasta deste Papa.

Mas, evidentemente, há quem fez observar pessoalmente ao Papa Bergoglio que reduzir o Vaticano a estes conceitos é, pelo menos “impreciso”, senão mesmo “errado”.

E foi exatamente Marchetto quem deu este passo. Entre ele e Bergoglio há, desde muito tempo, uma grande confiança, com estima recíproca. Marchetto mora em Roma, na casa do clero da Via della Scrofa, onde ocupa o quarto n. 204, vizinho ao n. 203, no qual se hospedava o então arcebispo de Buenos Aires em suas passagens por Roma.

O Papa Francisco não só ouviu as críticas de seu amigo, mas que as acolheu, a ponto de lhe agradecer, na carta lida no dia 12 de novembro, o fato de tê-lo ajudado “corrigindo um erro ou imprecisão da minha parte”.

Presume-se que no futuro Francisco se expressará sobre o Concílio de outra maneira, que não aquela da revista, mais em sintonia com a hermenêutica de Bento XVI, e com grande decepção para a “Escola de Bolonha”.

* * *

A terceira correção é coerente com as duas anteriores. Refere-se ao selo “progressista” com que o Papa Francisco viu que foi marcado nestes primeiros meses de pontificado.

Há um mês, no dia 17 de outubro, parecia que Bergoglio confirmava uma vez mais este perfil quando, na homilia matutina na Capela Santa Marta, havia dirigido palavras duras contra os cristãos que transformam a fé em “ideologia moralista”, feita toda ela de “prescrições sem bondade”.

Mas, um mês depois, em 18 de novembro, em outra homilia matutina o Papa tocou uma música muito diferente.

Tomou como ponto de partida a rebelião dos Macabeus contra as potências dominantes da época para dar uma tremenda reprimenda a esse “progressismo adolescente”, também católico, disposto a se submeter à “uniformidade hegemônica” do “pensamento único fruto da mundanidade”.

Não é verdade, disse Francisco, que “diante de qualquer escolha seja justo seguir em frente apesar de tudo, em vez de permanecer fiel à própria tradição”. À força de negociar sobre tudo acabam esvaziando de sentido os valores, razão pela qual ficam apenas os “valores nominais, não reais”. Pelo contrário, acaba-se negociando precisamente “o que é essencial para o próprio ser, a fidelidade ao Senhor”.

O pensamento único que domina o mundo – continuou o Papa – legaliza também “as condenações à morte”, “os sacrifícios humanos”. “Mas, vocês – perguntou – pensam que hoje não se fazem mais sacrifícios humanos? Se fazem muitos, muitos! Embora haja leis que os protegem”. Difícil não ver neste grito de dor do Papa Francisco as inumeráveis vidas humanas suprimidas antes mesmo de nascer pelo aborto, ou destruídas pela eutanásia.

Lamentando o avanço “deste espírito de mundanidade que leva à apostasia”, o Papa citou um romance “profético” do começo do Século XX, que é uma das suas leituras preferidas: O Senhor do Mundo, de Robert H. Benson, um sacerdote anglicano, filho de um arcebispo de Canterbury, que se converteu ao catolicismo.

Com a exceção de alguns veículos católicos, os meios de comunicação de todo o mundo ignoraram esta homilia do Papa Francisco que, com efeito, contradiz de maneira flagrante os esquemas progressistas, ou inclusive revolucionários, com os quais é descrito de modo geral.

Mas agora está nos documentos, e ali fica.

Uma curiosa coincidência: na missa na qual Francisco pronunciou esta homilia participou também o novo secretário de Estado, Pietro Parolin, em seu primeiro dia de trabalho na cúria romana. (Fonte: Usinos, Montfort e Chiesa)

 
< Anterior   Próximo >
Copyright © 2010 Catolicismo Romano | Powered by UNOPress