Provincia di Roma
Santuario D’ Oropa – Biella – Italia
Provincia di Biella
Chiesa Cattolica Italiana
Associação Madre Cabrini
Catolicismo Romano
A base do mau ciúme é a falta de amor próprio e no amor de Deus PDF Imprimir E-mail

Existem dois tipos de ciúmes: o virtuoso e o mau. O ciúme virtuoso é aquele que Deus tem em relação à sua criação. Ele sabe que o homem, ao amá-Lo em primeiro lugar e acima de todas as coisas, encontrará a fonte da própria felicidade. Assim, é bom para o homem amar a Deus. O homem também é capaz de sentir esse ciúme bom. Quando o amor visa o bem do outro e o zelo é pela salvação do outro trata-se desse tipo de ciúme.

Contudo, nem sempre o que se vê é o ciúme bom. Na maior parte dos casos, o que se tem é o ciúme mau, motivado pelo egoísmo. O ciúme virtuoso pergunta 'como é que você fica?', enquanto o ciúme mau indaga: 'como é que eu fico?', ou seja é centrado em si mesmo e não no outro.

A base do mau ciúme é a falta de amor próprio. A pessoa que não se ama, sente-se insegura e agredida a todo momento. Para que haja um amor saudável é preciso primeiro que a pessoa se ame. "Caritas bene ordinata incipit a semetipso".

Se a pessoa se ama, ela pode amar o outro. Caso contrário, ela se transforma numa espécie de sumidouro, que a tudo quer absorver, tudo quer atrair. Ela não se ama e por isso precisa agarrar-se às outras pessoas.

A dificuldade do ciumento é, portanto, consigo mesmo. Por causa de sua baixa auto-estima não consegue enxergar o próprio valor. A solução é crer no amor de Deus, crer no presente que se é para os outros. Somente amando a si mesmo é que o ciumento poderá viver o amor de forma sadia.

 
< Anterior   Próximo >
Copyright © 2010 Catolicismo Romano | Powered by UNOPress