Chiesa Cattolica Italiana
Provincia di Biella
Santuario D’ Oropa – Biella – Italia
Provincia di Roma
Associação Madre Cabrini
Catolicismo Romano
A NATUREZA DA HERESIA PDF Imprimir E-mail

Poucas coisas são mais dolorosas para um católico fiel do que ouvir alguém dizer: “Eu realmente amo a Igreja Católica, mas eu simplesmente discordo de alguns de seus ensinamentos." Podemos educadamente nos referir a ele como alguém que procura uma “cafeteira católica”. A sensação é de que eles escolhem quais ensinamentos da Igreja eles gostam e quais eles escolhem se rebelar.

Como disse São Paulo, devemos "realizar a nossa salvação com temor e tremor" e devemos "testar tudo e manter o que é bom". É apropriado lutar e viver com os ensinamentos da Santa Madre Igreja até que possamos defendê-los.

Iniciamos uma jornada rumo a um território perigoso quando rejeitamos um ensinamento da Igreja antes de entendê-lo. Enquanto nós podemos lutar em particular com dificuldade e dúvida, é quando começamos a perceber em conversas privadas que estamos nos aproximando de um reino perigoso. Uma manifestação pública de escolher quais os ensinamentos da Igreja são lícitos e quais não são é um pouco mais sério do que escolher alimentos diferentes em uma lanchonete, Isso se comporta como uma heresia. Hairesis , palavra derivada do grego, que significa "escolha”. No entanto, para escolher o próprio direito de uma declaração pública é ser um herege e ser seguido por muitas consequências graves e até eternas.

Faz parte do livre-arbítrio que cada um de nós decida se quer aceitar ou não as verdades reveladas ou rejeitá-las. Ao longo dos tempos sempre existiram hereges e movimentos heréticos. No entanto, vivemos em um tempo em que um número cada vez maior de pessoas está escolhendo rejeitar um, alguns ou todos os ensinamentos de Cristo. O modernismo funciona como uma “síntese de todas as heresias” e precipitou um abalo sísmico na provocando um ceticismo universal e essa incredulidade proliferante, tornando muito mais difícil o entendimento dos artigos de fé. Podemos nos perguntar por que há um aumento da descrença nesta época quando estamos a tomar o sol no pós-brilho do “Iluminismo” ?

Desde a época da Reforma, houve um espírito de revolta que realmente luta, às vezes publicamente, às vezes privadamente, contra todos os poderes soberanos e especialmente contra as monarquias". A rejeição dos primeiros princípios aristotélicos e a autoridade, cujo ensinamento é fundamentado na imitação de Cristo, levaram a esse clima moderno de ceticismo radical e individualismo radical. Estamos vivenciado uma revolta da razão individual contra a razão geral. O espírito de revolta quase que envolveu essa idade inteira e fez de cada um o seu próprio profeta, sacerdote e rei.

Em São Paulo vemos: “Os homens serão amantes do eu, do dinheiro, orgulhoso, arrogante, abusivo, desobediente a seus pais, ingratos, profanos, desumanos, implacáveis, caluniadores, profanos, ferozes, aborrecedores do bem, Traiçoeiros, imprudentes, inchados com presunção, amantes do prazer, em vez de amantes de Deus, mantendo a forma de religião, mas negando o poder dela “(2 Timóteo 3: 2-5).

As raízes comuns de todos os homens descritos por São Paulo são a rejeição da autoridade de Deus acompanhada de obstinação de se tornar auto-suficiente.

O primeiro herege

Com tantos movimentos heréticos ao longo dos tempos e tantos hereges no mundo de hoje, poder-se-ia razoavelmente perguntar quem era o herege original. Não deveria nos surpreender que a rebelião original lançasse o molde para todas as rebeliões subseqüentes. Claro, o primeiro herege que conhecemos como o príncipe deste mundo, o grande enganador, o rei da mentira ou mais diretamente ainda, Satanás. Ele era o anjo mais brilhante e mais belo de Deus originalmente chamado de Lúcifer para seu status de portador de luz.

Em um evento misterioso, esta criatura mais brilhante vislumbrou sua própria beleza e muito parecida com a figura mítica de Narciso, ele se apaixonou por ele mesmo. Seu orgulho começou a inchar e ele começou a pensar que ele merecia a autoridade e louvor reservados apenas para Deus. Ele escolheu a si mesmo sobre seu Criador. Em um incidente irrevogável de revolta, ele se arrogou autoridade para rejeitar a autoridade de Deus.

Intoxicado por seu orgulho inchado, Lúcifer declarou intencionalmente: "Não servirei". Quando os católicos rejeitam um ou mais dos ensinamentos imutáveis ​​​​da Igreja, eles ecoam a rejeição declarativa original. O herege original que colocou sua vontade acima da vontade de nosso Pai Todo-Poderoso cometeu tal violência contra a natureza da verdade, bondade e beleza que sua traição varreu um terço dos anjos do céu. Ele habita para a eternidade separado de Deus em tormento eterno. Um destino similar aguarda todos os que imitam o anjo caído.

Igreja X Mundo

Uma coisa é manter uma noção contrária ao Ensinamento da Igreja. Outra coisa é agir de uma maneira que contradiz o Ensinamento da Igreja. Outra coisa ainda é dissidência pública contra o Ensinamento da Igreja em palavras e ações. Embora estas três coisas sejam diferentes, elas são diferentes em grau, não em espécie. Todos eles compreendem discordância e rebelião contra a palavra revelada de Deus expressa no Credo dos Apóstolos e na Doutrina e Dogma que fluem das Sagradas Escrituras e do Magistério Universal.

Satanás disse: "Eu não servirei!" O orgulho desmedido exigido para fazer tal declaração é o estoque e comércio do Diabo e seus servos. Eles têm tentado ventilar as chamas do orgulho e do amor próprio desde a Queda no Jardim. Reconheçamos a grande diferença entre o ensino da Igreja e o ensinamento do mundo. Eles contradizem um ao outro como a luz confunde a escuridão.

Podemos ter a certeza de que o Autor da vida tem autoridade e credibilidade para nos ensinar a verdade sobre a natureza da realidade, nosso propósito na vida é o trabalho que fomos projetados para fazer. O mundo tem respostas a essas perguntas, mas elas são falsas. Em 2 Coríntios 10: 5 somos instruídos com sabedoria por São Paulo a lançar "a imaginação, e toda a alta coisa que se exalta contra o conhecimento de Deus", e levar "a cativeiro todo pensamento à obediência de Cristo". Nós escolhemos a obediência a qualquer outra fonte que não seja a Cristo, então certamente desviaremos do caminho justo e estaremos em perigo de nos tornarmos hereges. O bom Deus nos fez para coisas melhores do que isso.

 
< Anterior   Próximo >
Copyright © 2010 Catolicismo Romano | Powered by UNOPress