Catolicismo Romano
Associação Madre Cabrini
Provincia di Roma
Provincia di Biella
Santuario D’ Oropa – Biella – Italia
Chiesa Cattolica Italiana
Papa Francisco lava os pés de detidos arrependidos da máfia PDF Imprimir E-mail
O papa Francisco lavou em uma prisão nos arredores de Roma os pés de doze detidos, entre eles vários arrependidos da máfia, por ocasião do rito da Quinta-feira Santa.

"Todos somos pecadores, todos temos nossos limites e nossos defeitos", reconheceu o papa Francisco ante os presos da cadeia de Paliano, em Frosinone, não muito distante da capital italiana. O tradicional rito foi celebrado de forma privada e sem a presença de câmeras de televisão, disse o Vaticano.

"Hoje, nas ruas, as pessoas diziam que está chegando o 'chefe' da Igreja... Não se deve brincar com isso, o chefe da Igreja é Jesus. E eu, como Jesus, como um pároco, vou lavar os pés dos fiéis. Tudo é invertido, o que parece maior faz o trabalho do escravo, porque assim se semeia amor", explicou aos presos. Entre os doze escolhidos para que o Papa lavasse os pés figuravam três mulheres e um muçulmano, assim como um argentino e um albanês.

A prisão abriga no total cinquenta pessoas detidas que, por pertencerem à máfia, cumprem longas penas, reduzidas por colaborar com a justiça italiana. Também abriga um grupo de doentes com tuberculose que recebem tratamento. Francisco pediu em diversas ocasiões aos chefes da máfia italiana para que mudem suas vidas.

Desde que foi eleito pontífice, em 2013, o papa argentino utilizou o rito da Quinta-feira Santa, que comemora a última ceia de Jesus com os doze apóstolos antes de ser preso e condenado à morte, para visitar as prisões e os doentes, como fazia na Argentina.

"Todos somos pecadores"


O encontro com detentos também serviu para uma reflexão sobre o papel da Igreja, que segundo ressaltou nesta quinta-feira em uma entrevista ao jornal italiano La Repubblica, deve estar ao lado dos "últimos, dos marginalizados, descartados".

"Quando visito detentos, sei que muitas pessoas pensam que são pessoas culpadas. Mas todos nós somos pecadores. Quem não tem culpa que atire a primeira pedra", disse ele. "Todo mundo tem o direito de errar. Todos nós fazemos o mal, de uma forma ou de outra", alertou Francisco.

O papa presidiu na manhã desta quinta a chamada Missa Crismal na Basílica de São Pedro, durante a qual abençoou os santos óleos usados ​​para os sacramentos ao longo do ano. As celebrações da Semana Santa continuam na sexta-feira com a tradicional Via Crucis ao redor do Coliseu romano que recorda o calvário de Cristo antes da crucificação.

A Semana Santa deste ano começou amarga para os católicos com os atentados no Egito reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) contra duas igrejas coptas que mataram 45 pessoas. Apesar do clima de insegurança, o papa confirmou sua viagem ao Egito nos dias 28 e 29 de abril.

"Não há dúvidas de que o Santo Padre manterá seu programa de visita ao Egito" nos dias 28 e 29 de abril, afirmou o monsenhor Angelo Becciu, número três do Vaticano, em entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera. "O que acaba de acontecer causou muita desordem e sofrimento, mas isso não pode impedir a missão de paz do Papa", acrescentou.

Sob o lema "O Papa da paz no Egito da paz", o pontífice argentino programou uma delicada viagem de dois dias para defender o diálogo entre as religiões e, ao mesmo tempo, prestar homenagem aos cristãos coptas vítimas de inúmeros atentados no país.
 
< Anterior   Próximo >
Copyright © 2010 Catolicismo Romano | Powered by UNOPress